Paradinha no MIS: O samba e o papel social

Postado por Thaiza quarta-feira, 5 de maio de 2010

Amanhã (qui-6/5), dê uma paradinha na rotina pra ouvir um sonzinho na vitrola e falar sobre música. A saga continua no MIS, às 17h30. Nessa paradinha, discos: Assis Valente, Orestes Barbosa e Ary Barroso na voz de Sílvio Caldas.

"Com a profissionalização do samba, agora desvinculado da malandragem e do batuque, o Estado começa a vê-lo como um instrumento de educação cívica e disciplina social para as massas trabalhadoras da cidade. Valoriza-se um tipo de samba onde as matrizes africanas são menos evidentes, cujo modelo se vê em “Aquarela do Brasil”, considerado um samba de “bom gosto”. Mas não podemos nos esquecer de que o patriotismo de Ary Barroso era anterior às investidas do governo federal no mundo do samba. É o que ouviremos.

Lembrando que em 1932, consolida-se o cinema falado; Orestes Barbosa lança “Verde-Amarelo”, típico samba exaltação, ressaltando as características étnicas como brasileiras; em 1935 é oficializado o carnaval.

Começa uma época de visitas ao morro, abrindo-se a perspectiva para o exótico do samba. Em 1935 é feito o filme “Favela dos meus amores”, primeiro filme neo-realista brasileiro, de Umberto Mauro."

Grátis!

0 opinaram

Postar um comentário

Siga o CultCPS!


          RSS    

Últimas do Twitter


Últimos comentários


Tetê-a-Tetê Digital!

Crítica, sugestões, pitacos, imprensa, colaborações, dicas culturais, releases e afins, nos contate pelo e-mail cultcps@gmail.com

Arquivo do blog

Visitando agora