Cineclube MIS: Arquivos da Ditadura e Glauber Rocha

Postado por Thaiza quarta-feira, 17 de agosto de 2011

 "O cinema prolonga a vida. Estas imagens estarão eternas. Além da morte."  (Glauber Rocha)

Nesse fim de semana, teremos a continuidade de dois ciclos no MIS, grátis e com debates ao final. Confira:

Arquivos da Ditadura - Tortura e Impunidade (Curadoria: CineInverti)

19/8 (sex) às 19h: Marighella - Retrato falado do guerrilheiro (Silvio Tendler, 2001, Brasil, 55')
Deputado constituinte de 1946 e um dos principais dirigentes do Partido Comunista. Cassado quando o partido foi posto na ilegalidade, Carlos Marighella foi um dos líderes da luta armada contra a Ditadura Militar no Brasil. Em 1966, ainda no PC, propôs o caminho da guerrilha e foi expulso. Fundou a Ação Libertadora Nacional, primeiro movimento armado pós-1964 no país. O filme sobre a vida desta figura histórica da recente História do Brasil conta acima de tudo a história do homem Marighella.

20/8 (sáb) às 16h: Tempo de Resistência (Andre Ristum, 2004, Brasil, 115')
Sinopse: Baseado no livro 'Tempo de Resistência', de Leopoldo Paulino, sobre a luta guerrilheira contra a ditadura militar no final dos anos 60 e início dos anos 70. A partir do depoimento de mais de 30 pessoas envolvidas. Pela resistência à ditadura, o filme aborda o processo desde o golpe militar até a anistia e as Diretas.

Ciclo de Cinema e Antropofagia: A Carne em Movimento
(Especial Curadoria Revista de cultura antropofágica Terceira Dentição)

20/8 (sáb) às 19h30:

Curta: O Coro dos Malditos (Thaís Daros, 2010, 4')
Este é um clipe inspirado na peça teatral O Coro dos Malditos escrita por Bruno Zambelli, Afonso Machado e a própria diretora Thais Daros. Através da alegoria de um açougue encontramos a sociedade contemporânea em que as forças dionisíacas estão em conflito com o terno e a gravata. A carne humana é cortada impulsionando uma sexualidade alienada, gerando uma vida sem poesia. Em nome de Eros a voz da liberdade é erguida no combate poético contra a cultura estabelecida. É o artista rebelado que enfrenta O Penteu capitalista dos nossos dias.

Longa: Terra em Transe (Glauber Rocha, 1967, 115')
Sendo um divisor de águas na História do cinema brasileiro, o filme Terra em Transe radicalizou as experiências estética do Cinema Novo e influenciou rupturas no panorama das artes no Brasil. Um filmepolêmico:Na República fictícia chamada Eldorado encontramos uma alegoria barroca sobre os impasses políticos do Brasil durante a primeira metade da década de sessenta. Através dos recursos do flashback e da metáfora delirante nos deparamos com o poeta e jornalista Paulo Martins ardendo perante as polarizações políticas promovidas pelo furacão ideológico que agitava o continente latino americano.  Além do conteúdo do filme a forma de Terra em Transe promoveu uma Revolução estética marcada pela violência poética ecarnavalesca que apontou rumos para a arte brasileira (o movimento Tropicalista seria a sua mais notável conseqüência). Ainda estamos em transe. 

MIS- Palácio dos Azulejos- Rua Regente Feijó, 859- Centro

0 opinaram

Postar um comentário

Siga o CultCPS!


          RSS    

Últimas do Twitter


Últimos comentários


Tetê-a-Tetê Digital!

Crítica, sugestões, pitacos, imprensa, colaborações, dicas culturais, releases e afins, nos contate pelo e-mail cultcps@gmail.com

Arquivo do blog

Visitando agora