Festival SESC: Melhores Filmes

Postado por Thaiza terça-feira, 12 de abril de 2011

Ingresso tá caro? O shopping tá cheio? Os filmes são ruins? Dessa vez não tem desculpa, semana que vem começa a Mostra Melhores Filmes no SESC Campinas, espaço legal, lanchonete com preço camarada e sessões gratuitas! Não tem lero-lero, se programe:

19/4 (ter) às 18h: Terra Deu, Terra Come (Rodrigo Siqueira, Brasil, 2010)
Pedro de Almeida, garimpeiro de 81 anos, comanda o velório, o cortejo fúnebre e o enterro de João Batista, que morreu com 120 anos. O ritual acontece no quilombo Quartel do Indaiá, distrito de Diamantina, Minas Gerais. Com uma canequinha esmaltada, ele joga as últimas gotas de cachaça sobre o cadáver já assentado na cova: “O que você queria taí! Nós não bebeu ela não, a sua taí. Vai e não volta pra me atentar por causa disso não. Faz sua viagem em paz”. No cortejo, muita cantoria com os versos dos vissungos, tradição herdada da África. Descendente de escravos que trabalhavam na extração de diamantes, nas Minas Gerais do tempo do Brasil Império, Pedro é um dos últimos conhecedores dos vissungos, as cantigas em dialeto banguela cantadas durante os rituais fúnebres da região, que eram muito comuns nos séculos 18 e 19. Articulando uma maneira totalmente original de falar, que elabora novas possibilidades para a língua portuguesa, fazendo-nos lembrar o estilo rico e inesgotável de Guimarães Rosa, Pedro de Almeida ilumina o documentário com suas lendas, suas histórias de diamantes perdidos e almas vagantes, misturando verdade e ficção, encenando a presença da vida e da morte naquela comunidade diante das câmeras.
Prêmio de Melhor Documentário Brasileiro no Festival É Tudo Verdade.

19/4 (ter) às 20h: Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (Karim Ainouz e Marcelo Gomes, Brasil, 2010)
José Renato é um geólogo que atravessa todo o sertão nordestino para realizar uma pesquisa. Sua missão é avaliar o possível percurso de um canal que será feito, desviando as águas do único rio caudaloso da região. À medida que a viagem transcorre, ele percebe que possui muitas coisas em comum com os lugares por onde passa. Entre o vazio existencial, a sensação de abandono, o isolamento e a dor de uma separação recente, José Renato utiliza as paisagens e os objetos que encontra pela frente como forma de expressar seus sentimentos. Parceiros de longa data, os pernambucanos Karim Aïnouz (“O Céu de Suely”) e Marcelo Gomes (“Cinema, Aspirinas e Urubus”) fazem seu filme mais experimental, usando sobras de filmagens anteriores, num relato poético e envolvente no qual o protagonista nunca se faz presente na tela – apenas narra os eventos em off.

20/4 (qua) às 18h: José e Pilar (Miguel Gonçalves Mendes, Brasil/ Espanha/Portugal, 2010)
Um retrato intimista da relação entre o escritor português e prêmio Nobel de Literatura José Saramago e a jornalista espanhola Pilar Del Rio. Através do registro do dia-a-dia do autor em sua casa em Lanzarote e em viagens a trabalho pelo mundo, o documentário acompanha o processo de criação, produção e promoção do romance “A Viagem do Elefante”, do momento inicial da construção da história em 2006 até o lançamento do livro no Brasil em 2008. A dura viagem do elefante entre a corte de D. João III em Lisboa e a corte do arquiduque Maximiliano na Áustria irá refletir a própria jornada do autor durante o processo de criação deste livro.
   
20/4 (qua) às 20h: Vincere (Marco Bellochio, Itália / França, 2009)
Há um segredo na vida de Benito Mussolini: uma mulher, Ida Dalser, e um filho, Benito Albino, que nasceu, foi reconhecido, e em seguida renegado. É uma página negra da história da Itália, ignorada na biografia oficial do Duce. Quando Ida conhece Mussolini em Milão, ele é um fervoroso socialista que pretende orientar as massas contra a Igreja e a monarquia. Ela acredita nele e em suas ideias, e vende tudo o que tem para financiar “Il Popolo d’Italia”, um jornal que Mussolini funda para ser o núcleo do futuro Partido Fascista. Quando a Primeira Guerra Mundial irrompe, ele se alista no Exército e desaparece. Ao reencontrá-lo algum tempo mais tarde casado com outra mulher, Ida exige seus direitos como verdadeira esposa e mãe de seu filho primogênito. Levada à força, ela fica trancada por mais de 11 anos num asilo de loucos, onde é amarrada e torturada, e nunca mais poderá ver seu filho. Mas Ida não desistirá de lutar. O veterano Marco Bellocchio (“O Processo do Desejo”, “Bom Dia, Noite”) encena a história de Dalser em tons de tragédia, com uma fotografia sombria, unindo a força das atuações a um ritmo vertiginoso da montagem, que acompanha a rapidez das mudanças sociais e políticas da época.
   
21/4 (qui) às 14h: Dzi Croquetes (Tatiana Issa e Raphael Alvarez, Brasil, 2010)
O documentário resgata a trajetória dos Dzi Croquettes, grupo de atores e bailarinos que se tornaram símbolos da contracultura nos anos 70 ao confrontar a ditadura com ironia e inteligência. Os espetáculos revolucionaram os palcos com performances de homens de barba e pernas cabeludas, sapatos de salto alto e roupas femininas. Nesse período de contracultura e contestação, o americano Lennie Dale desembarcou no Rio de Janeiro, unindo a bossa nova ao swing do jazz novaiorquino. Em torno dele, 13 artistas reuniram-se para criar os Dzi Croquettes, grupo que ajudou a quebrar tabus e mudar a cena teatral brasileira com seus espetáculos andróginos. Desobedientes e debochados, eles desrespeitam com seu escracho a ordem do regime militar. Seu sucesso chega à Europa, especialmente à França, onde encantam as plateias de Paris. Uma trajetória fascinante recheada de sucessos, fracassos, assassinatos, grandes voltas por cima e a recuperação de uma história que não deve ser esquecida. Prêmio do Público e Prêmio Itamaraty na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Prêmio do Público e do Júri no Festival do Rio.
   
21/4 (qui) às 16h: Uma Noite Em 67 (Renato Terra e Ricardo Calil, Brasil, 2010)
21 de outubro de 1967. No Teatro Paramount, no centro de São Paulo, acontecia a final do 3º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record. Diante de uma plateia fervorosa, disposta a aplaudir ou vaiar com igual intensidade, alguns dos artistas hoje considerados de importância fundamental para a MPB se revezavam no palco para competir entre si. Entre os 12 finalistas, Chico Buarque e o MPB4 vinham com “Roda Viva”; Caetano Veloso, com “Alegria, Alegria”’; Gilberto Gil e os Mutantes, com “Domingo no Parque”; e Edu Lobo, com “Ponteio”. O documentário mostra os elementos que transformaram aquela final de festival no auge da produção musical dos anos 60 no Brasil, com imagens históricas e depoimentos inéditos dos principais envolvidos.

23/4 (sáb) às 14h: Reflexões De Um Liquidificador (André Klotzel, Brasil, 2010)
Elvira, uma dona de casa pacata e simpática, ouve uma voz estranha na cozinha. É seu liquidificador, que de repente começa a falar com ela. Quando seu marido Onofre desaparece, os vizinhos e amigos do casal, como a fogosa Milena, querem ajudar. Mas Elvira só confia no liquidificador. Ainda mais quando a polícia começa a suspeitar de assassinato, e o investigador Fuinha se encarrega do caso, disposto a tudo para descobrir a verdade. Em meio a reflexões sobre a vida e as diferenças entre os objetos e os seres humanos, o liquidificador conta como toda essa história começou. Algum tempo antes, o casal tinha uma lanchonete, e a hélice do liquidificador quebrou. Onofre colocou então uma nova hélice, bem maior, e a partir daí o liquidificador ganhou vida e passou a observar o mundo. Mas a lanchonete teve que ser fechada, e o liquidificador logo foi para a casa do casal. Sem querer, esse simples eletrodoméstico testemunha um episódio inusitado e conta tudo para Elvira, que decide então tomar uma decisão drástica. Diretor de A Marvada Carne (1987) e Memórias Póstumas (2001), o diretor André Klotzel, retorna com uma comédia suburbana de humor negro, na qual um simples liquidificador é testemunha dos atos desmedidos da comédia humana.

24/4 (dom) às 11h30: Toy Story 3 (Lee Unkirich, EUA, 2010)
Woody, Buzz e toda a turma de brinquedos estão de volta. Quando seu dono Andy se prepara para entrar na faculdade, seus leais brinquedos vão parar sem querer numa creche. Woody quer voltar para o antigo dono, mas os outros concordam que, no novo lar, podem ser muito mais valorizados. O sonho, porém, logo se torna pesadelo: as crianças mais capetas e destrutivas da creche pegam pesado com eles. Nesse ambiente hostil, os brinquedos de Andy fazem amizade com outros brinquedos não muito confiáveis, como um velho urso cor-de-rosa. Em pouco tempo, porém, todos terão que se unir para empreender uma grande fuga e combater um inimigo maior que pode levá-los à morte.

26/4 (ter) às 18h: O Profeta (Jacques Audiard, França / Itália, 2009)
Malik El Djebena, um jovem de 19 anos de descendência árabe, semianalfabeto, é condenado a seis anos de prisão. Ao chegar ao presídio, totalmente sozinho, ele parece mais jovem e mais frágil do que os outros presos. César Luciani, o líder dos corsos italianos que tem o controle da prisão, ameaça Malik em troca de "proteção". Sem opção, Malik acaba coagido a colaborar com os corsos. Aos poucos, o jovem aprende muitas coisas na prisão, e aos poucos vai arquitetando planos para se libertar dos corsos e tornar-se um homem de sucesso nos negócios, ainda que seja de dentro da cadeia. Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes.
   
26/4 (ter) às 20h: Tropa de Elite 2 (José Padilha, Brasil, 2010)
Dez anos depois do primeiro filme, o capitão Nascimento cresceu na carreira – passou a comandante geral do BOPE e depois a Subsecretário de Inteligência do Governo do Rio. Em suas novas funções, Nascimento faz o BOPE crescer e coloca o tráfico de drogas de joelhos, mas não percebe que, com isso, está ajudando outros inimigos: policiais e políticos corruptos com interesses eleitoreiros. Na vida pessoal, Nascimento tem que lidar com o fracasso de seu casamento com Rosane, que se casou com seu maior adversário político, Fraga, um militante dos direitos humanos. Em sua luta solitária contra o “sistema”, ele vai descobrir que as coisas são mais complexas do que imaginava. Mexer com os verdadeiros interessados na manutenção da máquina do tráfico pode custar muito caro – a ele e a sua família.
   
27/4 (qua) às 20h: London River - Destinos Cruzados (Rachid Bouchardes, Reino Unido/França/Argélia, 2009)
Inglaterra, 2005. Elisabeth Sommers assiste pela TV os atentados terroristas ocorridos em Londres, onde bombas explodiram um vagão de trem e um ônibus. Imediatamente, ela tenta falar com a filha, Jane, mas consegue. Preocupada, Elisabeth vai a Londres, mas encontra seu apartamento vazio. Ela vai à polícia e passa a pendurar panfletos pela cidade com a foto da filha. Um deles é pego por Ousmane, um senhor que chegou recentemente à capital inglesa e está em busca do filho, que não vê há 15 anos. Ousmane tem uma foto onde seu filho está ao lado de Jane. Apesar da desconfiança inicial, aos poucos ele (muçulmano) e Elizabeth (cristã) se aproximam na difícil tarefa de percorrer os hospitais da cidade em busca de alguma pista do paradeiro de ambos. Eles colocam as diferenças culturais de lado e se apoiam um no outro para continuar a busca e manter a fé. Urso de Prata de Melhor Ator (Sotigui Kouyaté) e Prêmio do Júri Ecumênico no Festival de Berlim.
   
27/4 (qui) às 18h: Onde Vivem Os Monstros (Spike Jonze, EUA / Alemanhã, 2009)
Max é um garoto que gosta de se fantasiar de lobo e vive sendo malcriado com sua mãe – ainda mais agora que está com ciúmes de um novo amigo dela. Como castigo, ele é mandado para o quarto sem jantar. Ele resolve então fugir de casa e usa a imaginação para criar uma ilha misteriosa, para onde vai de barco. Lá, Max encontra vários monstros que vivem em bando. O garoto diz que possui superpoderes e logo é nomeado rei do grupo. Responsável por evitar que a tristeza tome conta do lugar, ele passa a criar uma série de jogos para manter os monstros adoráveis sempre se divertindo. Nesta tarefa, Max se aproxima de Carol, um monstrinho com um gênio imprevisível. Baseado no clássico livro infantil de Maurice Sendak. Do mesmo diretor de “Adaptação” e “Quero Ser John Malkovich”.
 
28/4 (qui) às 18h: O Homem Que Engarrafava Nuvens (Lírio Ferreira, Brasil, 2009)
A história do baião através da ascensão e queda de um de seus maiores expoentes, o letrista e compositor Humberto Teixeira (1915-1979), conhecido como o "doutor do baião". Responsável por clássicos como "Asa Branca" e "Adeus Maria Fulô", Teixeira atingiu o estrelato nos anos 50, mas ficou sempre em segundo plano em relação ao parceiro Luiz Gonzaga. Na década seguinte, com o surgimento da bossa nova, o baião caiu na obscuridade. Uma celebração da genialidade poética e musical de Teixeira e uma jornada de descoberta do sertão, do baião, da cultura e da história do Brasil.

   
28/4 (qui) às 20h: Os Inquilinos (Os Incomodados Que Se Mudem) (Sérgio Bianchi, Brasil, 2009)
Valter e Iara moram com os dois filhos num bairro da periferia de São Paulo. Eles levam a vida normalmente, até a chegada de três rapazes que alugam a casa ao lado e se tornam seus novos vizinhos. Iara passa a achar que, como não trabalham, os jovens devem ser bandidos. Pouco se sabe sobre os três rapazes – apenas que costumam levar mulheres para casa e gritam palavrões. Valter, que trabalha de dia e estuda à noite, pouco se importa com o que eles fazem e quer apenas dormir. Mas a tensão entre ele e os novos vizinhos aumenta a cada dia, abalando sua estabilidade emocional.
   
29/4 (sex) às 20h: O Segredo Dos Seus Olhos (Juan José Campanella, Argentina / Espanha, 2009)
Benjamin Esposito se aposentou recentemente do cargo de oficial de justiça de um Tribunal Penal. Com bastante tempo livre, ele agora se dedica a escrever um livro. Ele usa sua experiência para contar uma história trágica da qual foi testemunha em 1974. Na época, o Departamento de Justiça onde trabalhava foi designado para investigar o estupro e consequente assassinato de uma bela jovem. É desta forma que Benjamin conhece Ricardo Morales, marido da falecida, a quem promete ajudar a encontrar o culpado. Para tanto, ele conta com a ajuda de Pablo Sandoval, seu grande amigo, e de Irene Hastings, sua chefe imediata, por quem nutre uma paixão secreta. Conhecido pela comédia de sucesso “O Filho da Noiva” (2001), o diretor argentino Juan José Campanella surpreende pela profundidade e combinação de gêneros – o policial, o drama, o ensaio poético –, conduzindo com maestria temas como o poder do amor, a obsessão, a vingança e as feridas do período da ditadura militar argentina (1966-1983). Vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
   
29/4 (sex) às 18h: Os Famosos e os Duendes da Morte
(Esmir Filho, Brasil, 2009)
Um garoto de 16 anos fã de Bob Dylan acessa o mundo por meio da internet, enquanto vê seus dias passarem em vão numa pequena cidade alemã do interior do Rio Grande do Sul. Na web, ele utiliza o pseudônimo Mr. Tambourine Man, em referência à música de Bob Dylan. Sentindo-se entediado numa cidade onde nada acontece, ele passa os dias entre brincadeiras com o amigo, Diego, e a rotina com a mãe. Até que uma nova figura na cidade traz lembranças de seu passado envolvendo um outro rapaz, Julian, e uma garota que morreu misteriosamente. O processo o leva para um mundo além da realidade. Conhecido pelo sucesso do vídeo “Tapa na Pantera” no YouTube, Esmir Filho realiza em seu primeiro longa-metragem um processo colaborativo com o gaúcho Ismael Caneppele, autor do livro homônimo. Com planos elaborados e uma história sempre envolta em mistério, o filme faz um denso retrato das angústias da adolescência, permeando outros temas como as relações virtuais, a solidão, a obsessão pela morte e a necessidade de construir seu próprio caminho na vida. Melhor Filme e Prêmio Fipresci (Crítica Internacional) no Festival do Rio.
   
30/4 (sáb) às 14h: As Melhores Coisas do Mundo (Lais Bodanzky, Brasil, 2010)
Hermano, um garoto de 15 anos mais conhecido como Mano, adora tocar guitarra, beijar na boca, rir com os amigos, andar de bike, curtir a balada. Ele vive as emoções típicas de um adolescente: a popularidade na escola, a primeira transa, o relacionamento em casa, as inseguranças, os preconceitos e a descoberta do amor. Mas um acontecimento na família faz com que Mano perceba que virar adulto nem sempre é tarefa fácil. Inspirado na série de livros Mano, de Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto. Filme de abertura do Festival SESC Melhores Filmes 2010. Vencedor de oito prêmios no Festival do Recife, incluindo Melhor Filme, Direção, Ator (Francisco Miguez), Roteiro e Fotografia.

0 opinaram

Postar um comentário

Siga o CultCPS!


          RSS    

Últimas do Twitter


Últimos comentários


Tetê-a-Tetê Digital!

Crítica, sugestões, pitacos, imprensa, colaborações, dicas culturais, releases e afins, nos contate pelo e-mail cultcps@gmail.com

Arquivo do blog

Visitando agora