[Teatro] Comemoração do grupo Rotunda com muito teatro

Postado por Carla quarta-feira, 6 de junho de 2012


Rotunda comemora 45 anos e estreia três tragédias de Ésquilo, em Campinas. A trilogia, com direção de Teresa Aguiar, será apresentada no Teatro de Arte e Ofício (TAO), de 14 de junho a 1º de julho; ingressos a preços populares: quinta feira e domingo, R$7,00 e R$3,50; sexta-feira e sábado R$10,00  e R$5,00!

Os 45 anos de atuação do Rotunda – o primeiro grupo de teatro profissional do interior do Estado de São Paulo – serão comemorados em grande estilo e com várias atrações. A cereja do bolo é a estreia, neste mês, de Oréstia, de Ésquilo - uma trilogia grega interligada, a única que chegou praticamente intacta até os dias atuais (Proteu, uma drama satírico que completava a tetralogia, se perdeu). É a primeira vez que a trilogia é montada simultaneamente no Brasil.
As peças da trilogia são, pela ordem, Agamêmnon (apresentada de 14 a 17/6), As Coéforas (21 a 24/6), As Eumênides (28 a 30/6 e 1/7). A trilogia, em Campinas, estará em cartaz no Teatro de Arte e Ofício (TAO).

Agamêmnon trata da volta do rei Agamêmnon depois de derrotar Tróia e seu assassinato pela mulher Clitemnestra, em vingança pelo sacrifício da filha Ifigênia para obter os ventos que levariam os navios gregos a Tróia.
As Coéforas mostra a vingança de Orestes e Electra pelo assassinato do pai; e a terceira, As Eumênides, trata da perseguição de Orestes pelas fúrias vingadoras, divindades poderosas que punem os crimes dos mortais, especialmente os consanguíneos.
"O Rotunda nasceu sob o signo das origens do teatro - a tragédia grega - com a peça Electra de Sófocles. Para marcar os 45 anos do grupo voltamos ao gênero, só que dessa vez com mais força", diz a diretora do espetáculo, Teresa Aguiar, lembrando o ineditismo da montagem simultânea, no Brasil.
"Vemos uma volta grande das tragédias gregas para os palcos. Temos cada vez mais montagens. É um espelho do mundo que vivemos, com suas grandes tragédias e desmandos. Além de representarem a origem do teatro ocidental, elas funcionam como uma forma de purificação para o público", diz Márcio Tadeu, professor do curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especialista em mitologia grega.
Tadeu explica que Ésquilo foi o primeiro grande trágico grego. "É muito importante fazer a trilogia completa. É um ato corajoso montar as três peças ao mesmo tempo, Uma tarefa que não é fácil", afirma. Segundo Tadeu, isoladamente as peças já foram apresentadas, mas juntas houve apenas uma montagem do grupo paulistano Folias de Arte, mas adaptada para os dias atuais. "Na forma original, mantendo a poesia de Ésquilo, é a primeira vez no Brasil".
Montar uma tragédia grega, para Teresa, é beber da fonte primeira da dramaturgia ocidental. "Trata-se de um dos mais importantes gêneros literários legados pela Grécia Antiga", afirma. Ela lembra ainda, que a terceira peça da trilogia apresenta a criação do primeiro tribunal do júri, instituído pela deusa Atena (Minerva, na mitologia romana) para julgar o crime de Orestes.

Tragédia
Surgida na segunda metade do século 6 a.C, o gênero trágico atingiu o apogeu em Atenas entre 480 e 400 a.C., aproximadamente. Do século 4 a.C. em diante a tragédia entrou em franco declínio e só iria recuperar parte de seu antigo esplendor dois milênios depois. Mas as obras de Shakespeare (1564/1616), de Racine (1639/1699) e de outros autores são, na realidade, formas evoluídas da tragédia. Das 80 tragédias compostas por Ésquilo restam atualmente apenas sete; mesmo número que ficou das 120 de Sófocles. Das 80 obras dramáticas de Eurípedes, somente 17 tragédias e um drama satírico sobreviveram.
"Não se justifica Oréstia nunca ter sido montada no Brasil. A tragédia grega deve ser oferecida para que as novas gerações possam não apenas conhecer o gênero, mas também se aproximar da cultura helênica, fundamental para a formação da sociedade ocidental", reforça Teresa.
Oréstia tem direção geral de Teresa Aguiar, direção de elenco, cenários, figurinos e assessoria histórica do professor de artes cênicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Márcio Tadeu; trilha sonora original de Mário Manga, preparação corporal da coreógrafa espanhola radicada em Londres, Carmen Vilches, e produção executiva de Ariane Porto. Considerando as três peças, 26 atores ocupam o palco.

Serviço

Agamêmnon -14 a 17/6 (quinta-feira a domingo), às 20h30
Coéforas - 21 a 24/6 (quinta-feira a domingo), às 20h30
Eumênides - 28 a 30/6 e 1/7 (quinta-feira a domingo), às 20h30  
Local: TAO - Teatro de Arte e Ofício (Rua Conselheiro Antonio Prado, 529, Vila Nova, fone: 3241-7217).
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia e antecipado até 1 dia antes). Instituições e escolas, preços especiais.











Ficha Técnica
ORÉSTIA - TRILOGIA
Autor: Ésquilo
Adaptação: Ariane Porto
Direção geral: Teresa Aguiar
Direção de elenco: Márcio Tadeu
Assistentes de direção: Delma Medeiros e Stella Vilela.
Pesquisa e assessoria histórica: Márcio Tadeu
Coreografias e trabalho corporal: Carmen Vilches
Assistente de coreografia: Sandra Camargo
Assessoria vocal: Sara Lopes
Cenografia e figurinos: Márcio Tadeu
Assistente de figurinista: Juliana Maltempe
Confecção de figurinos: Kátia Riccardi
Confecção de cenários: Victor Akkas e Elias Abraham
Trilha Sonora Original: Mário Manga
Light Design: Ademilson Teixeira
Operação de luz: Ademilson Teixeira, Bruno Santos e Gustavo Porto.
Operação de som: Gustavo Porto e Bruno Santos
Produção Executiva: Ariane Porto
Assistente de produção: Luiza Pasim e Sérgio Virgílio
Administração: Tereza Cristina Ribeiro Lacerda
Assessoria comercial: Mike Zanco e Sandra Camargo
Portaria: Madalena Neves
Assessoria de imprensa: Maria Claudia Miguel
Making off: Isval Pinho
Fotografia: Bidi Rodrigues e Isval Pinho
Design gráfico: Afonso Giovannetti

AGAMÊMNON - 1ª
Elenco:
Agamêmnon: Joel Barbosa
Clitemnestra: Ariane Porto
Egisto: Helcio Henriques
Cassandra: Claudia Menezes
Sentinela e escolta: Julio Moreto
Arauto: Ramiro Lopes
Escravas: Rosi Luna, Sandra Camargo e Lara Leão
Corifeu: Isval Pinho
Coro de Anciãos: Fernando Andrade, Miguel Ariza, Mike Zanco, Ramiro Lopes, Ronaldo Oyafuso e Sérgio Vergílio

AS COÉFORAS - 2ª
Elenco:
Orestes: Ramiro Lopes
Pílades: Gilberto Semensato
Clitemnestra: Walkíria Franciscatto
Egisto: Helcio Henriques
Electra: Cecília Cyrino
Escravo: Mike Zanco
Ama: Arlinete Vicentini
Corifeu: Stella Vilela
Coro de escravas: Bruna Ribeiro, Claudia Menezes, Delma Medeiros, Fabiana Melo, Fernanda Campagnolli, Kátia Ferreira, Lara Leão e Tânia Garcia

EUMÊNIDES - 3ª
Elenco:
Orestes: Ronaldo Oyafuso
Apolo: Fernando Andrade
Atena: Claudia Menezes
Fantasma de Clitemnestra: Walkíria Franciscatto
Profetisa Pítia: Arlinete Vicentini
Corifeu: Delma Medeiros
Coro das fúrias: Arlinete Vicentini, Julio Moreto, Miguel Ariza, Mike Zanco, Ramiro Lopes, Sandra Camargo, Sérgio Vergílio, Stella Vilela e Tânia Garcia.

1 Responses to [Teatro] Comemoração do grupo Rotunda com muito teatro

  1. MEUS TRABALHOS CULTURAIS:

    LANÇAMENTO DA REVISTA DO CINEMA MACHADENSE (TV ALTEROSA / 2005)

    http://www.youtube.com/watch?v=msoR2iUr-8M


    UMA VISÃO GERAL DOS MEUS TRABALHOS CULTURAIS
    http://www.youtube.com/watch?v=5gyGLdnpuvQ


    CHE GUEVARA POEMA LIDO
    http://www.youtube.com/watch?v=XF-MqN57-5M

     

Postar um comentário

Siga o CultCPS!


          RSS    

Últimas do Twitter


Últimos comentários


Tetê-a-Tetê Digital!

Crítica, sugestões, pitacos, imprensa, colaborações, dicas culturais, releases e afins, nos contate pelo e-mail cultcps@gmail.com

Arquivo do blog

Visitando agora